O Paradoxo da Liberdade - (não) quer ser livre

4년 전

blur-bokeh-community-5156.jpg

De forma resumida, e bem resumida mesmo, o homem, como indivíduo, luta a favor de uma coisa: LIBERDADE.

Toda ação intelectual, tanto doutrinária como prática, tem como função primordial conquistar mais liberdade que no dia anterior, tanto de forma coletiva como individual. A história da humanidade é marcada por lutas contra Estados opressores, pode até se dizer que a luta pela liberdade é uma condição humana, tal como qualquer outro instinto, algo inerente ao ser humano.

E não é exagero dizer que o homem sempre buscou ser mais livre e menos escravo, nos primórdios viu intuitivamente a necessidade de viver em sociedade, para conjuntamente se proteger de perigos externos, no iluminismo percebeu a importância de limitar o poder do rei, no período pós-guerra mundial ficou aparente a relevância da garantia de direitos humanos diante da miséria da guerra e dos absurdos praticados pelo nazismo/fascismo.

A pós-modernidade (ou modernidade líquida como prefere Bauman) entende que a sociedade nunca conhecerá um cenário onde a liberdade seja plena, ser totalmente livre não passa de uma utopia, no entanto configura como um ideal a ser perseguido, é um princípio que molda a sociedade.

Portanto, a sociedade civil cria mecanismos e filosofias sobre as relações humanas com o objetivo de ter uma sociedade política e um Estado menos opressoras, mais solidários e capazes de cumprir com a sua função social: atingir o interesse comum e proteger o cidadão (pleonasmo proposital para melhor entendimento).

Assim, caminha-se para uma sociedade mais pacífica, mais democrática e justa, menos opressora, violenta e invasora.

Mas cadê o paradoxo? Calma, caro gafanhoto.

Você verá que o paradoxo é bem atual com nosso cenário político. O assunto corrupção está popular, todos, o quase, mostram uma opinião contrária aos abusos do Estado, defendem um Estado mínimo, livre de corruptos, com uma carga tributária baixa.

Apesar do sentimento anticorrupção estar forte pouco se vê de efetivo contra a velha política, e isso vem bem a calhar com o que Bauman ensina em "Modernidade Líquida", o autor afirma que em uma sociedade de indivíduos o indivíduo está em contraste com o cidadão.

Segundo o autor, a liberdade possuí um custo, o qual nem todos estão dispostos a pagar, assim, o paradoxo ocorre quando o ser humano quer ser livre mas não quer lutar ou não quer sofrer as consequências de sua liberdade.

banner steemit.jpg

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
STEEMKR.COM IS SPONSORED BY
ADVERTISEMENT
Sort Order:  trending

Ótimo post! Um ótimo texto, preciso nesse momento que vivemos. Talvez podemos ir além nesse paradoxo, e nos perguntar se a liberdade pode vir com auto conhecimento? Já que a nossa própria mente faz parte desse contexto, e pode ser a uma prisão ou uma libertação sem limites do funcionamento social, claro em dois polos extremos e que infelizmente vejo muito no dia a dia. E assim o paradoxo pode ir até cada indivíduo e sua existência, e nos fazer perguntar, qual objeto de liberdade de cada pessoa? Assim como o objeto de igualdade, em um social sem história e pouco acesso a condições de vida e educação de qualidade. A liberdade individual no campo das ideias não terá fim e sempre será uma discussão como trouxe(como deve ser). A liberdade de um cidadão em uma democracia e um governo totalitário são diferentes, seria curioso e trágico, uma análise da liberdade em forma de anarquia em uma população de massa, talvez iria satisfazer a ignorância do nosso tempo.

Tempos difíceis em que os três poderes, e as políticas de governos estão distantes dos seus cidadãos, esvaindo o ideal de estado, no liberalismo sem pé nem cabeça, que leio, onde as pessoas acreditam que o financeiro é a causa dos males sociais. Claro que faz parte, como muitos fatores, mas a causa é o próprio social. Um social cada vez mais individual. Um cidadão da internet, nunca irá conhecer o social. Pois só os observa, só quem vive o social é quem faz parte dele. E não é fácil. Resta aos cidadãos que se importam com nossa espécie e com um funcionamento social sem caos, lutar para que no futuro entendam que um Estado não é um governo, e quem faz o Estado são os próprios cidadãos.

Teria mais gente lutando em suas comunidades por melhores condições ou bringando por politícos? Ou melhor, reune mais gente uma manifestação contra corrupção ou pelo carnaval?

Desculpe a extensão. Obrigado pelo texto ou pela ótima reflexão.

Good wishes @joaoprobst,
Your post "O Paradoxo da Liberdade - (não) quer ser livre " hast just been Resteemed !!! 😄😻😄
By following me, you have achived this service.


🙂😉🙂 Thank you for using our FREE Resteem Service @tow-heed😉😉😉