Não tenho tempo pra criticar o capitalismo

작년

educação mercadoria.jpg


Eu tenho uma mentalidade muito empreendedora pra me preocupar em ficar criticando capitalismo na academia. Eu entendo muito das posições críticas ao capitalismo, especialmente quando entendemos o capitalismo num sentido marxista, cuja associação ao Estado é inevitável. Agora, eu não posso me dar ao luxo de olhar pros problemas do mundo sem tentar saná-los na prática, e a verdade é que os problemas começam sempre num sentido micro: você tem que resolver a si mesmo antes de resolver aos outros e ao mundo.

Por isso mesmo tô cada vez mais preocupado em ter uma fonte de renda. Na condição de professor desempregado (mandei currículo para dezenas de escolas aqui em Porto Alegre e até agora nada), não vou ficar me lamentando diante do fato de que não sou assalariado. A verdade é que até prefiro assim, gosto do fato de que posso ser meu próprio gerente, determinando como eu trabalho, quando trabalho e a que preço. É por isso que tento unir o útil ao agradável: se gosto de fazer vídeos, por que não extrair renda disso?

Quando abri para apoiadores investirem no meu hobby, transformando-o em trabalho, não imaginava que conseguiria os mais de 200 reais mensais que recebo hoje de 9 pessoas que gostam do meu conteúdo. Também não imaginava que receberia tantos dólares quanto comecei meu canal no YouTube. De fato, nada que pagasse o custo que tive pra produzir mais de uma centena de vídeos, todos disponíveis de modo gratuito pra quem quiser ver, vídeos muitas vezes educativos, com referências e indicações intelectuais; vídeos muitas vezes opinativos, mostrando que tenho um lado, o meu lado, que por acaso é o lado de muita gente.

Mas o hobby ainda não é trabalho, e é preciso trabalhar para sobreviver. Se o intelectual de aspiração marxista critica o capitalismo, é porque tem problemas com o trabalho, porque gostaria de viver num mundo onde o trabalho beira a desnecessidade, sendo possível ficar apenas filosofando em ócio criativo o dia inteiro numa sociedade pretensamente justa. Nesse sentido utópico, eu também sou marxista: ora, prefiro não precisar transformar tempo e labor em dinheiro.

Agora, quem disse que minha preferência é determinante? Nem mesmo a favor de mim mesmo! O que determina a conduta de qualquer um são as condições que possibilitam sua agência. Se não tenho comida, preciso de comida e, portanto, minha ação se inclina à busca da comida. Se não tenho dinheiro e dele preciso, minha ação vai nesse sentido, e isso ocorre em todos os níveis da nossa realidade mundana (até mesmo ao nível da curiosidade filosófica). A pirâmide de Maslow é real.

Ora, se não tenho trabalho por meio do qual extrair o dinheiro, o que me impede de transformar em dinheiro aquilo que já faço de modo espontâneo e naturalmente dedicado? Quem dera ter uma bolsa integral e só me preocupar em ficar pesquisando pro mestrado, mas na ausência da regalia estatal, impera a necessidade, e necessidade é a geradora da criatividade, que é a verdadeira motivadora do livre mercado. Educação é mercadoria sim, e é por isso que tô me dispondo a dar aulas particulares e combinando com algumas pessoas para lançar cursos de filosofia.

Que a mentalidade anticapitalista vá de retro, satanás. Antes de me guiar por aspirações coletivas, sou um indivíduo precisando respeitar meus próprios desejos, limitações e possibilidades. Se o trabalho dignifica, tornar-se empreendedor de si mesmo transforma, autonomiza e supera a mentalidade assistencialista parasitária. Bora gerar valor definindo as próprias métricas, porque se independência não existe, ao menos deve ser desejável.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
STEEMKR.COM IS SPONSORED BY
ADVERTISEMENT
Sort Order:  trending

Se você deixar o ser humano livre sem coerção Estatal de cima pra baixo o que vai surgir naturalmente é um sistema mercantilista de trocas voluntárias, ou seja, o capitalismo. O resto é religião de quem prefere o dogma a enchergar a realidade dura, nua e crua como ela é.