Existencialismo e Anarquismo - Herbert Read e Max Stirner

2년 전

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Existencialismo e Anarquismo - Herbert Read e Max Stirner

"Nós construímos o nosso destino, para transformar a existência, sob o fado do tempo e da morte." - charlie777pt

1. Introdução


"Acreditar é confiar, não querer saber" - Herman Hesse em Lektüre für Minuten (1962)

A mudança torna-se em nós.
Nós tornamos-nos no que queremos ser, construído na ansiedade de nossas escolhas para a nossa existência, sempre limitado pelo tempo.
No atual mundo dos assuntos políticos, as pessoas têm uma consciência limitada da dissolução de sua liberdade, restringindo a participação na escrita da História, mas somos pessoalmente e moralmente responsáveis ​​pelo atual estado de doença social, onde decidimos não fazer escolhas. .
Na França e em todo o mundo, os políticos colocaram a polícia como solução para os problemas dos cidadãos, usando táticas militares e armas de guerra para combater pessoas como se fossem terroristas.

Na incerteza política de hoje os cidadãos têm uma total falta de confiança sobre as intenções e motivações dos governos no poder, e suas dúvidas abrem a sua mente para a invasão do discurso do populismo e patriotismo exacerbado, que na história sempre apontou o caminho para o fascismo ou para coletivismo vertical .
A credibilidade da democracia representativa caiu no esgoto com a ausência de clareza nas intenções das propostas do poder vigente
A Anarquia e o Existencialismo são ambos filhos da Liberdade, e o movimento existencialista filosófico e cultural, influenciou muitos anarquistas com o terreno comum da luta do indivíduo contra o Estado e a centralização da autoridade.
O anarquismo tem muitas ligações com a psicologia e os autores humanistas-existencialistas, como vimos nos últimos posts sobre existencialismo e humanismo.

Anarquismo e Existencialismo são filosofias de liberdade centradas na pessoa para a busca individual de identidade e significado de sua Essência na Existência numa sociedade massificada que usa o medo como controle para o conformismo.
Como filosofias de liberdade, ambas enfatizam o aspecto da responsabilidade ética pelos nossos próprios atos, e devemos questionar mais a autenticidade de nossa existência para crescer como seres humanos.

A luta da soberania individual contra o Estado e o autoritarismo é um sentimento compartilhado no Anarquismo e no Existencialismo.
Alguns anarquistas acreditam na necessidade de algum coletivismo horizontal, como por exemplo a congregação de comunidades na gestão do meio ambiente como um interesse comum.
Eu gosto das teorias dos direitos naturais mostrando que as pessoas têm direitos inalienáveis à vida, à propriedade que não colide com interesses e bem-estar comunitários, e o direito de encontrar a liberdade como ingredientes essenciais para nutrir a felicidade humana, que são os pilares civilização e sociedade.

"Ninguém vai te dar a educação que é precisa para derrubá-los" - personagem em Quino Comics

2 - Anarquismo e Existencialismo - Diferenças, semelhanças e complementaridade


O existencialismo é um ramo da filosofia individualista, centrado na liberdade dos seres humanos sobre a moralidade e a ordem social.
Sua principal referência é o conceito sartriano de existência (sociedade) que precede a essência(ser), recusando qualquer predeterminação biológica ou genética na vida, mas baseada na liberdade de escolha de uma pessoa com base na responsabilidade, enquanto, ao mesmo tempo, o indivíduo absorve a moralidade social.

A moralidade tem suas raízes na propriedade dos pensamentos e ações de cada indivíduo e no elemento de coordenação comportamental dentro de um grupo de indivíduos nas interações sociais.
A moralidade tem impactos permanentes nas nossas decisões e nas escolhas de nossa consciência.
É nosso privilégio tentar livrar-nos dessa moral internalizada para maximizar a liberdade, porque um anarquista aceita as escolhas de todos os outros enquanto não houver violência exercida sobre nossa segurança física, ou o/a anarquista seguirá o direito de usar a violência para se defender a si próprio.
Um anarquista, um existencialista, um fanático do blockchain sobre a descentralização, um ativista social ou ambiental, ou aqueles que estão no caminho de encontrar o seu próprio eu, devemos concordar que além das diferenças filosóficas sobre a realidade, existem objetivos comuns que devem unir todos nós contra o mundo feio, corrupto e poluído, apoiado apenas por alguns que assumiram a vontade da humanidade e estão a conduzir o ecocídio do planeta.

"O objeto do estado é sempre o mesmo: limitar o indivíduo, domá-lo, subordiná-lo, subjugá-lo". - Max Stirner

3 - Existencialismo Anarquista - Soberania Individual


"O valor de uma civilização ou cultura não é valorizado em termos de sua riqueza material ou poder militar, mas pela qualidade e realizações de seus indivíduos representativos - seus filósofos, seus poetas e seus artistas". - Herbert Read

A nossa Essência é limitada quantitativamente pelo tempo e qualitativamente pelo "tempo vivido" até o dia em que morremos e cessamos nossa Existência.
O existencialismo é uma filosofia centrada na pessoa como o Humanismo, com os direitos de ter uma responsabilidade baseada na liberdade, com o nosso Ser fazendo de nós mesmos o que somos.
A nossa Essência é limitada pelo tempo até que morremos, pelo que temos encontrar um sentido de nossa Existência, bem como devemos verificar a autenticidade de nossas vidas na sociedade, com pressões e restrições sociais e económicas aceleradas.

Sem dúvida Existencialismo e Anarquismo sempre tiveram influências mútuas em seus conceitos e teorias contra o poder hierárquico centralizado, e a moral e regras da sociedade.
Para mim, o Anarquismo e o Existencialismo têm as mesmas respostas para as perguntas do Porquê? Como? e o Que? devemos fazer para alcançar a soberania individual e quebrar a relação dominante de Mestre / Escravo entre o poderoso e o impotente.

"Se o indivíduo é uma unidade em uma massa corporativa, sua vida não é apenas brutal e curta, mas monótona e mecânica". - Herbert Read

Herbert Read (1893-1968) foi um anarquista inglês que viu a arte, a cultura e a política como a manifestação viva da consciência humana.

Read foi um historiador da arte, um poeta, um crítico literário e um filósofo, influenciado por Kierkegaard, Heidegger e Sartre, e em 1949 ele criou seu próprio modelo de anarquismo cruzado com o existencialismo, como uma alternativa à teoria marxista que estava sombreando. o movimento existencialista.
Read foi sempre influenciado por Max Stirner, e ele descobriu que este autor tinha a chave para a conexão entre seu anarquismo individualista e existencialismo no conceito de livre escolha pessoal e responsabilidade ética.
Ele acreditava na educação pela arte era um revolucionário para a aprendizagem, como uma catarse de traumas infantis e ao mesmo tempo compartilhando os trabalhos criativos com todas as culturas e credos do mundo, que traria mais compreensão e tolerância entre todos os homens e mulheres no mundo.

Max Stirner (1806 - 1856), com sua visão egoista do anarquismo baseada na soberania individual, mostrou que a liberdade só vem da inaceitabilidade de instituições centralizadas, incluindo governos do estado e direitos de propriedade, como os fantasmas que corrompem a essência de nosso ser.
Read e Stirner tornaram-se conscientes de que os sistemas ideológicos se fundem com leis e bens económicos materialistas que dominam o crescimento e a realização da essência humana.

"O estado chama de sua própria lei de violência, mas a do indivíduo, crime." - Max Stirner

O existencialismo contaminou o chamado "pós-anarquismo" nascido nos anos 80 e que tem um modelo subjacente de pós-estruturalismo e pós-modernismo dos anos 60, que negou o pensamento dominante da cultura da civilização ocidental.
O anarquismo pode ser visto como uma espécie de existencialismo individualista, com algumas considerações sobre a noção clássica das criações cooperativas da humanidade que podem restringir o livre-arbítrio, no nível pessoal.
Os movimentos anárquicos e descentralizados que emergem nas ruas, como os Coletes Amarelos e a Rebelião da Extinção (Extinction Rebellion), têm muitas semelhanças com a organização espontânea de Maio de 68 e raízes profundas na tradição existencialista das ações de rua contra todos os poderes centralizados instituídos pela atual democracia representativa, e o capitalismo pseudo-liberal que se parece com o socialismo feudal monárquico.

"O divino é a preocupação de Deus; o humano, o homem. Minha preocupação não é nem o divino nem o humano, não o verdadeiro, bom, justo, livre etc., mas somente o que é meu, e não é geral, mas é - único, como eu sou único. Nada é mais para mim do que eu mesmo!" - Max Stirner ".

Herbert Read Max Stirner
>

A anarquia é possível quando se elimina a autoridade e poder centralizados. Confira!

Videos (Em Inglês):

To Hell with Culture (2014) - a film about Herbert Read, art and anarchism

Existentialism & Max Stirner (Isaiah Berlin Clip)

Stirner's Egoism - Does Altruism Exist?

A Dialética da Libertação: Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo.
Artigos publicados:

I - Anarquismo
II - Existencialismo
Próximos posts da Série:
II - Existencialismo(Cont.)
  • O Futuro: Pós-Humanismo, Transumanismo e Inumanismo
III - Descentralismo
  • O que é o Descentralismo?
  • A Filosofia do Descentralismo
  • Blockchain e Descentralização
  • Anarquismo, Existencialismo e Descentralismo
IV - A Dialética da Auto-Libertação
  • A contra-cultura nos anos 60
  • Psicadelismo e movimentos Libertários e Artísticos
  • O Congresso da Dialética da Libertação
  • O movimento antipsiquiátrico
  • O Budismo Zen de Alan Watts
  • Pós-modernismo e Loucura numa sociedade Esquizofrénica
  • Anarquismo, Existencialismo, Descentralismo e Auto-Libertação
V - Conclusões e Epílogo
Referências:
- charlie777pt on Steemit:
A Realidade Social : Violência, Poder e Mudança
Índice do Capítulo 1 - Anarquismo - desta série - Parte 1 desta Série


Livros:
Oizerman, Teodor.O Existencialismo e a Sociedade. Em: Oizerman, Teodor; Sève, Lucien; Gedoe, Andreas, Problemas Filosóficos.2a edição, Lisboa, Prelo, 1974.
Sarah Bakewell, At the Existentialist Café: Freedom, Being, and Apricot Cocktails with with Jean-Paul Sartre, Simone de Beauvoir, Albert Camus, Martin Heidegger, Maurice Merleau-Ponty, and Others
Levy, Bernard-Henry , O Século de Sartre,Quetzal Editores (2000)
Jacob Golomb, In Search of Authenticity - Existentialism From Kierkegaard to Camus (1995)
Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Advanced Industrial Society
Louis Sass, Madness and Modernism, Insanity in the light of modern art, literature, and thought (revised edition)
Hubert L. Dreyfus and Mark A. Wrathall, A Companion to Phenomenology and Existentialism (2006)
Charles Eisenstein, Ascent of Humanity
Walter Kaufmann, Existentialism from Dostoevsky to Sartre (1956)
Herbert Read, Existentialism, Marxism and Anarchism (1949 )
Martin Heidegger, Letter on "Humanism" (1947)
Friedrich Nietzsche, The Will to Power (1968)
Jean-Paul Sartre, Existentialism And Human Emotions
Jean-Paul Sartre, O Existencialismo é um Humanismo
Maurice Merleau-Ponty, Sense and Non-Sense
Michel Foucault, Power Knowledge Selected Interviews and Other Writings 1972-1977
Erich Fromm, Escape From Freedom. New York: Henry Holt, (1941)
Erich Fromm, Man for Himself. 1986
Gabriel Marcel, Being and Having: an existentialist diary
Maurice Merleau-Ponty, The Visible and The Invisible
Paul Ricoeur, Hermeneutics and the Human Sciences. Essays on Language, Action and Interpretation
Brigite Cardoso e cunha, Psicanálise e estruturalismo (1979)
Paul Watzlawick, How Real is Reality?
G. Deleuze and F. Guattari,
Anti-Oedipus: Capitalism and Schizophrenia
Robert C. Solomon, Existentialism
H.J.Blackham, Six existentialist thinkers
Étienne de La Boétie, Discourse on Voluntary Servitude, or the Against-One (1576)
#palnet #creativecoin #lifestyle

Originally posted on Filosofia da Libertação - Philosophy of Liberation. Steem blog powered by ENGRAVE.

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
STEEMKR.COM IS SPONSORED BY
ADVERTISEMENT
Sort Order:  trending

This post was upvoted by SteeveBot!

SteeveBot regularly upvotes stories that are appreciated by the community around Steeve, an AI-powered Steem interface.

Nos primórdios da minha adolescência me denominava anarquista, muito pela influência do punk-rock, cresci na década de 80 e as bandas punks brasileiras sempre traziam em suas letras esse conceito de liberdade e eu acreditava ser o ideal.
Mas com o passar do tempo entendi ser algo utópico pois o ser humano nunca foi educado para ser livre. Se por exemplo destituirmos o Estado hoje, consequentemente algum grupo tomará o poder, o que já não seria anarquia mas sim outro Estado.
Nesse meio tempo entendi que o Socialismo seria o ideal, para mim deveria ser uma transição para a liberdade individual. Mas não o socialismo autoritário, um modelo socialista que visasse o bem-estar social e priorizasse a educação do indivíduo para sua liberdade pessoal, coisa que nunca vimos mas acredito ser possível.
Recentemente li dois livros do Chomsky e atualmente estou relendo o "Ser e o Nada" de Sartre e esses livros estão reacendendo a minha chama libertária, mas mesmo assim, ainda acredito ser inviável no momento a liberdade geral individual pois penso muito no social, ou seja, se a igualdade e liberdade não for para todos não tem validade, a meu ver.
O grande problema de tudo é que o Estado, a religião e os detentores do capital, durante os séculos, conseguiram inserir quase toda a sociedade no conceito kantiano de "menoridade" e a liberdade necessita a priori que o ser humano saia da menoridade e busque a "maioridade", mas infelizmente as pessoas não querem isso ou pelo menos, não sabem como fazer isso.
Acredito que o ponto chave para essa libertação seja a educação, Paulo Freire já dizia isso na "Pedagogia do Oprimido". O problema é como educar e se o Estado irá deixar essas pessoas serem educadas para serem livres.
Excelente texto @charlie777pt e continuemos na busca pela liberdade do indivíduo, quem sabe as gerações futuras consigam este feito.

Posted using Steeve, an AI-powered Steem interface

·

Eu cresci na década de 70 com influências próximas dos 60, em África num país colonizado pelo regime fascista português e após a revolução de 74, entrei nas esquerda na Frelimo e depois em Portugal viajei pela extrema-esquerda até encontra o anarquismo, que me reconstituíu da desilusão do coletivismo.
Mas percebi que o anarquismo era um estado interior que não se podia ensinar e que era impraticável, pelo que passei á intervenção social pela música e arte, e á política do SER pois a política centralizada tinha-me ensinado que ela era para os aficionados do poder e não traz a revolução social mas sim a dominação das massas por élites sejam de esquerda, centro ou direita.
No dia em que li o Manifesto do Nakamoto , estive muitos dias a dormir mal em hiperatividade cerebral pois percebi que a afinal a anarquia era tecnológicamente realizávél com o conceito de descentralização.
Sou um maníaco da descentralização que reavivou a minha chama política.
O blockchain é uma prova viva (mas já desvirtuada por grupos de poder) que é possível eliminar qualquer cadeia centralizada pode ser substituída por um consenso tecnológico e social ,se possivel como propriedade coletiva, pode provar que a centralização que leva ao abuso do poder pode ser tornada obsoleta.
O problema é o da tomada de consciência das pessoas, que irá ser o resultado do duelo do Centralismo vs Descentralismo, que deixa algum espaço para a mudança social, mas a descentralização é um David que se calhar não tem força para enfrentrar um Golias tão gigantesco.
A visão de Nakamoto é uma esperança para a humanidade, que está cega e ofuscada com os ecrãns que lhes escrevem os hábitos e as memórias e deshumanizando-as até elas serem incapazes de intervir socialmente.
Muito obrigado por um "Grande" comentário com imagem de marca de uma mente questionadora, pois a maioria das massas acha a realidade inquestionável, imutável e sem capacidade de ser modificada, e quem manda que faça o que quiser com os destinos dos cidadãos despidos dos seus direitos.
Vamos corromper o centralismo,,heheh.
E Paulo Freire propôs o caminho das solução para a peste da concentração da riqueza que aumenta o fosso social, como o principal problema da humanidade privada de igualdade e da justiça, até que um dia os oprimidos percebam que podem mudar o seu destino.
Esqueci-me de dizer que após uma fase em que estava aborrecido com a música freak, em 1977, o punk foi uma das grandes voltas na minha vida, pois revelava que como hoje toda uma jovem geração , não tinha futuro e propunha a "anarchy in the UK" e "No Future".
A música sempre me ajudou na catarse cultural, como antecipação do Mundo que lá vem.

This post had received 5.00% upvote from @steemitportugal account!
Vote for @steemitportugal to Witness. Your vote is very important to us!
Visit our WebSite www.steemitportugal.com (tutorials,news...)
Thank you very much.
Click here to vote
steemitportugal
Delegation for daily voting: 10SP-25SP-50SP-100SP-250SP-500SP-1000SP