Brasileiro, um povo pacífico ou passivo? #Filosofia da Linguagem.

2년 전

Nós brasileiros crescemos ouvindo por todos os cantos que o brasileiro é um povo pacífico, além de outros adjetivos, mas esses deixarei de lado. Mas, essa pacificidade do brasileiro é o termo correto a ser utilizado?



 
Fonte


01.png
 

Somos pacíficos ou passivos, ou seja, teríamos sido “domesticados” a sermos pacíficos? São termos linguísticos que podem influenciar na finalidade do objeto de estudo.
 
Basicamente, uma população pacífica seria aquela que almeja e busca um estado pleno de paz, o que está longe de ser verdade para o brasileiro, muitas pessoas possuem um discurso de paz, mas, no fundo, só querem ver sangue. Inclusive podemos ver esse fato entre os cristãos, que é uma doutrina que segue um cara que dizia: “amai ao próximo”. Lembrando que as religiões de matizes cristãs somam juntas 86,8% da população brasileira.
 
Já um povo passivo, é aquele povo que aceita tudo de forma subserviente, ou seja, não possui iniciativa para lutar pelos seus direitos, não faz sua liberdade valer, enfim, uma população que no caso da política, sofre qualquer ação imposta pelo Estado calada e quieta, mesmo que essa ação prejudique diretamente sua existência.
 
Assim que nem eu, diversas pessoas devem ficar chocadas que boa parte da população reclame demasiado em redes sociais, mas na hora de ir às ruas se manifestar não vão. Muito disso tem a ver com um fator denominado “janela de Overton” (não entrarei em detalhes hoje, explanarei isso no futuro), basicamente a janela de Overton é quando alguém começa a jogar diversas notícias ruins e até divergentes para que com cada “novidade” a anterior pareça aceitável.
 
Já cheguei à conclusão de que o brasileiro é sim um povo passivo e não pacífico, podemos ver isso atualmente, nas últimas duas greves, a da educação do dia 15/05 e a contra a previdência 14/06, os manifestantes foram duramente criticados pela mídia e por uma boa parcela da população. Muitos diziam: “greve dia de semana é coisa de vagabundo”, “tem que fazer greve final de semana”.
 
Vale aqui um breve exercício linguístico, a palavra greve significa uma paralisação temporária no “trabalho” decidida de forma coletiva com o intuito de algum tipo de conquista. Portanto, não faz sentido fazer greve aos finais de semana, já que quase ninguém trabalha, talkey?
 
Atualmente, boa parte da população aceita ser passiva, infelizmente, isso é algo que não mudará tão cedo, pois indiretamente a culpa não é necessariamente dessas pessoas. Isso foi algo “embutido” na mente do povo brasileiro durante esses pouco mais de cinco séculos da nossa sociedade.
 
Tudo novamente começa lá na escravidão, no tempo que ainda éramos colônia. Os escravos insatisfeitos, os “grevistas” da época, eram castigados e açoitados, mesmo os que não estavam envolvidos, viam aquelas torturas e se amedrontavam. A ideia era justamente essa, a subordinação através do medo. Mesmo a sociedade dita “branca”, sabia de tais fatos e claro, isso assusta a qualquer um, não é à toa que até hoje diversos governos espalhados pelo globo usam a força contra manifestantes.
 
Após o fim da escravidão, na República Velha especificamente, existiram diversas revoltas populares que foram coibidas com força militar. Logo após veio o Estado Novo de Vargas, que coibiu da mesma forma e ainda introduziu a tortura em sua “cultura” de repressão. Ao final da segunda guerra, houve um período mais pacífico em relação à repressão, até o retorno com a ditadura militar de 64, inclusive o retorno da tortura.
 
Mesmo hoje após a redemocratização do Brasil, ainda existe repressão, quantas e tantas manifestações de profissionais de diversas áreas, principalmente de professores, são repreendidas pela polícia militar? Até chegarmos a esse ponto de nossa história, que parte de uma parcela da sociedade, uma parcela enfadonha, acredita e prega que: “greve é coisa de vagabundo.
 
Quem espera que o brasileiro se torne um povo que luta pelos seus direitos e se manifesta como argentinos e franceses, esqueça. O que temos hoje é uma construção social de mais de cinco séculos, por mais que ainda existam pessoas que se manifestem, são meia-dúzia, os que sempre estão lá, não é uma parcela massiva da população.
 
Da mesma forma, não seremos um país de pessoas pacíficas tão cedo, basta ver o sucesso que programas de cunho policial que apenas mostram desgraças fazem. É isso que o brasileiro quer, o brasileiro não quer paz, quer ver o sangue escorrer, quer ver gente morta na calçada ou no asfalto, quer ver a polícia agredindo ou matando. Muitos inclusive chegam ao êxtase quando veem “favelas” em chamas.
 
Por fim, como diria Émile Durkheim, são fatos sociais, um baseado na coerção e o outro baseado na generalidade. Mas como qualquer fato social, necessitam de diversas gerações para mudar e nenhum leitor aqui do Steemit que esteja vivo hoje verá isso acontecer, pois precisaremos de mais de cem anos para mudá-los, isso é, se um dia mudar.

01.png


Todos os meus posts estão agrupados no Steem Center. Acompanhe: Link.


01.png


Sponsored ( Powered by dclick )
Steem Hedge Token

Get Steem Hedge on the Steem-Engine Market Today!

Authors get paid when people like you upvote their post.
If you enjoyed what you read here, create your account today and start earning FREE STEEM!
STEEMKR.COM IS SPONSORED BY
ADVERTISEMENT
Sort Order:  trending

This post was upvoted by SteeveBot!

SteeveBot regularly upvotes stories that are appreciated by the community around Steeve, an AI-powered Steem interface.

Está aí uma boa questão :D A narrativa dos militares é de que o Brasil apenas se defendeu em conflitos históricos com outras nações, mas sabemos que não foi bem assim. O Rio Grande do Sul mesmo teve inúmeros conflitos e guerras e a polarização política é uma realidade há séculos por aqui, coisa que sempre se espalhou país afora. Já a exploração por parte dos governantes e a passividade dos cidadãos com relação a isso, eu vejo de outra forma, cada povo tem o governo que merece, não é? :P Obrigado por compartilhar ;)

Posted using Steeve, an AI-powered Steem interface

·

Os militares se queimaram muito depois do golpe de 64 com o papo de que seria um regime transitório, mas que durou 21 anos.

cada povo tem o governo que merece, não é?

Penso que isso pode ser visto de várias formas, mas independente de qqr coisa, sim, os nossos representantes foram eleitos pela maioria e atualmente, é "apenas" isso que merecemos.
Mas penso que isso é um fator histórico como disse no texto, e culmina agora. Depois de séculos sendo açoitado, o povo brasileiro acabou aceitando a subserviência como forma de autopreservação, não sei se consegui me explicar bem, mas é como querer mudar os instintos de preservação de um gato, ele é e sempre será caçador.
Já o brasileiro, seu instinto de preservação é se manter passivo e calado, o único momento que essa sociedade acredita ser válido se manifestar é quando vota, que digamos de passagem, tem sido cada vez mais desastroso esse momento.
Valeu pela reflexão @casagrande.

Posted using Steeve, an AI-powered Steem interface

Congratulations @demokratos! You have completed the following achievement on the Steem blockchain and have been rewarded with new badge(s) :

You published more than 30 posts. Your next target is to reach 40 posts.

You can view your badges on your Steem Board and compare to others on the Steem Ranking
If you no longer want to receive notifications, reply to this comment with the word STOP

To support your work, I also upvoted your post!

Vote for @Steemitboard as a witness to get one more award and increased upvotes!

Parabéns, seu post foi selecionado pelo projeto Brazilian Power, cuja meta é incentivar a criação de mais conteúdo de qualidade, conectando a comunidade brasileira e melhorando as recompensas no Steemit. Obrigado!

footer-comentarios-2.jpg

·

Obrigado @brazilians!

Posted using Steeve, an AI-powered Steem interface